Calendário do Carnaval de Aruba de 2014

logo carnaval

Finalmente, saindo atrasadíssimo (afinal, o carnaval aqui começou oficialmente no dia 10 de janeiro), o calendário dos eventos desse ano.

Para quem quiser saber o que é cada festa e como funciona o Carnaval por aqui, não deixem de ler o meu post super explicado do ano passado:

Tudo sobre o Carnaval 2013 de Aruba

dm 09 fev Carnaval de praia Flip Flop – das 16h à 1h
Lugar: Nikky Beach
3f 11 fev Concurso de calypso e roadmarch 2013 – 1a semifinal adulto
Lugar: Joe Laveist Sportpark em San Nicolas das 19:30h à 1h
4f 12 jan Concurso de calypso e roadmarch 2013 – 2a semifinal adulto
Lugar: Joe Laveist Sportpark em San Nicolas das 19:30h à 1h
5f 13 jan Concurso de calypso e roadmarch 2013 – 3a semifinal adulto
Lugar: Joe Laveist Sportpark em San Nicolas das 19:30h à 1h
sb 15 fev Concurso de calypso e roadmarch 2013 – final adulto
Lugar: Joe Laveist Sportpark em San Nicolas das 19:30h às 3h
dm 16 fev Desfile infantil de San Nicolas – das 12h às 18h
Lugar: ruas do centro de San Nicolas
2f 17 fev Eleição da Sra. Carnaval –  das 19:30 à 0h
Lugar: Aruba Entertainment Center em Oranjestad
5f 20 fev Hebbe Hebbe Happening – das 19h à 1h
Lugar: Estacionamento dos Correios em Oranjestad
6f 21 fev Eleição da Rainha do Carnaval 2013 – das 19:00h à 1h
Lugar: Aruba Entertainment Center em Oranjestad
sb 22 fev Desfile infantil de Noord – a partir do meio dia
Rota: do campo de Bubali até o centro de bairro de Noord
sb 22 fev Desfile de luzes de Oranjestad – Lighting parade – a partir das 19:30h
Rota: a mesma do desfile grande
dm 23 fev Desfile infantil de Oranjestad – das 12h às 18h
Rota: Stadium – Av.Milo Croes – Vondelaan – LG Smith Blvd – Adrian Lacle e volta
2f 24 fev 1º Carnaval Multicultural de Aruba – eleição e coroação
Lugar: Aruba Entertainment Center em Oranjestad – das 19h à 1h
3f 25 fev Tourist night steel band e show de fantasias
Centro de Oranjestad
5f 27 fev Desfile de luzes de San Nicolas – das 20h às 2h
Lugar: ruas do centro de San Nicolas
6f 28 fev Ban Djo Djo Happening – das 20h à 1h
Lugar: garagem do Arubus de San Nicolas
sb 01 mar Jouvert Morning e festa do pijama – jump up a partir das 4 da madrugada
Lugar: ruas do centro de San Nicolas
sb 01 mar Grande desfile de carnaval de San Nicolas – das 11h às 19h
Lugar: saindo do Joe Laveist Sportpark
dm 02 mar 60º grande desfile de Oranjestad – das 10h às 19h
Lugar: início na Hagemeyer – Av Milo Croes – Vondelaan – LG Smith até Wendy’s
2f 03 mar feriado nacional – sem atividades carnavalescas
3f 04 mar Queima do Momo – das 8h às 12:30
Lugar: Aruba Entertainment Center em Oranjestad

O nosso jantar “early bird” no Taste of Belgium

Em dezembro, eu e maridão fizemos 9 anos de casados e ganhamos dos meus sogros um vale-presente do restaurante Taste of Belgium.  Então semana passada aproveitamos que a filhota de 6 anos se independizou, decretando que vai dormir todas 6as na casa dos avós e resolvemos fazer um kit jantar+cinema.

O Taste of Belgium fica no shopping Palm Beach Plaza Mall, onde também tem um complexo de salas de cinema. Como o filme (The Hobbit) começava às 20:45h, resolvemos ir mais cedo para aproveitar o nosso jantar tranquilamente.

Chegamos e fomos simpaticamente recebidos pela supervisora do lugar, uma jamaicana muito amável e sorridente que nos deixou escolher a mesa que queríamos. A seguir veio o garçom de bebidas que nos deu o cardápio de bebidas e gentilmente disse que a gente pedisse logo, ainda aproveitava a promoção de 2×1 da happy hour. Pedimos duas piñas coladas porque eu não bebo cerveja, mas os cervejeiros têm à sua disposição um cardápio com especialidades belgas.

nossas bebidas 2x1

 

cardapio de cervejas

Algumas das especialidades

A seguir, veio a garçonete de comida e nos deu uma melhor surpresa ainda: como faltavam 5 min. para as 19h, nós ainda tínhamos o direito de escolher do menu early bird. Para quem não sabe, a expressão early bird, em inglês, se refere a pessoas com o hábito de fazer tudo mais cedo, acordar cedo, comer cedo e dormir cedo. Normalmente são pessoas mais velhas e quem tem pais ou avós que almoçam às 11h e jantam às 17:30h podem por a mão aqui. 😉 Como uma forma de tornar seus restaurantes mais rentáveis, alguns restaurantes fazem menus com desconto, como uma forma de não deixar o restaurante vazio num horário que não costuma atrair a maioria das pessoas. O menu costuma ter um preço fixo com poucas opções de pratos e é oferecido das 17h às 19h.

O bom foi que nós fomos ao Taste of Belgium preparados para pagar caro. Até brincamos que o gift certificate de $30 só ia dar para pagar a sobremesa, então a dupla surpresa de comida e bebida mais baratos nos fez ficar felizões antes mesmo de comer, huahuahua. O early bird menu custa $27,50 e te dá 2 opções de entrada, 2 opções de prato principal e uma escolha entre sobremesa ou café. Não sei se todos os dias é igual, mas no dia que fomos dava para escolher entre uma salada ou uma sopa de cogumelos de entrada, uma garoupa ou um filet mignon com molho de cogumelos de prato principal e a sobremesa era uma bola de sorvete com salada de frutas. Nós dois escolhemos igual: sopa e filet mignon.

sopa de cogumelos

Sopa diliça com pãozInho

filet mignon

Filet mignon tão molinho que nem precisava cortar…

Pelo o que a gente notou, todos os pratos principais vinham com as batatas fritas típicas da Bélgica, que sempre vem em um cone e com maionese e ketchup de acompanhamento. A sopa estava ótima, mas o filet mignon estava di-vi-no. A carne era tão macia que nem precisava cortar, era só dar uma puxadinha com o garfo e a faca, o molho dava a vontade de lamber o prato. Eu nem consegui terminar a sobremesa de tão cheia que estava mas as frutas estavam fresquinhas e o sorvete eram bons também. Meu marido finalizou o jantar com um chá de hortelã que era bem gostosinho e fresco.

salada de frutas

Sobremesa

chá de hortelã

Olhem que copo de chá mais lindo

No final a conta deu $64 e veio sem taxa de serviço (existem restaurantes que incluem e outros não), sendo que nós acrescentamos $11 de gorjeta porque estávamos realmente satisfeitos com tudo: com o fato deles terem oferecido o menu early bird para escolher (muitos restaurantes têm essa opção, mas nem sempre os garçons avisam, olhem a pegadinha), com o fato do garçom de bebidas também nos ter alertado para a promoção 2×1 da happy hour e com tudo em geral.

Agora vejam se valeu à pena: no site do restaurante dá para ver que a sopa custa $6.50 e o “filet mignon Belgique” $26.75. Isso sem nem contar a salada de frutas com sorvete que não fazem parte do menu “normal”, então não podemos comparar o preço.

Assim que fica a dica para aqueles que se dispuserem a sair um pouquinho mais cedo da praia a tempo de ter um jantar mais econômico. Também é uma boa pedida para quem tem crianças pequenas que provavelmente vão estar cansadas de brincar o dia inteiro na praia e não vão aguentar estar acordadas para um jantar mais demorado. :)

Anúncio importante: O Westin Aruba vai fechar!

Pessoal, um post rápido de última hora: ontem o grupo que comprou o prédio do Westin anunciou que o hotel vai operar até o dia 26 de fevereiro e depois disto estará fechado para renovação. Ainda não se sabe quantos meses a renovação vai durar. Enquanto isso, todos os trabalhadores continuarão a receber seu salário, mas aqueles que quiserem se desligar receberão um pacote de compensação.

O curioso é que essa história que saiu à luz ontem à tarde é bem diferente do que havia sido anunciado no dia 7 de novembro, quando o RIU anunciou que havia comprado o hotel. Ontem quem se pronunciou foi o advogado representante do grupo Infinity, que comprou o edifício e o que ele explicou foi: em 2006 o hotel havia sido vendido para o grupo Belfonti por $230 milhões, valor que foi todo financiado pelo banco americano Wachovia, com o compromisso de que uma renovação completa ia ser feita.

No entanto, o grupo Belfonti não cumpriu com o pago ao banco e nem com a renovação que deveria ser feita para elevar o hotel ao nível exigido pelo Westin. Como consequência, em 2009 o banco tomou o hotel do grupo Belfonti pelo seu incumprimento de suas obrigações financeiras. E quando o banco tomou o hotel de volta, ele não estava disposto a fazer os investimentos necessários, pois já tinha perdido bastante dinheiro nessa história. Resultado: o Westin não estava nada contente em dar o seu nome para um hotel que não estava à sua altura. Segundo o advogado, a renovação é especialmente necessária para o elevador, a cozinha e os quartos, o que eu imagino que deva ser verdade, porque eu conheço só a parte externa e ela me parece bem bonita e cuidada.

Em 2013 começaram as negociações do banco com o grupo espanhol Infinity para que eles comprassem o edifício. E a partir de 27 de fevereiro, esse grupo passa a ser dono do hotel. O advogado falou que o grupo está negociando com o RIU para eles gerenciem o hotel e ponham o seu nome, mas nada está definido. Pode ser que o hotel reabra com outro nome. Juridicamente, os funcionários têm garantia de continuar recebendo seu salário, mas com tanta indefinição é bastante provável que a maioria aceite o pacote.

Que o hotel vai reabrir, com certeza. Porque um hotel pé-de-areia em Palm Beach é o sonho de muitos hoteleiros, ainda mais considerando que já não existe nenhum trecho em Palm Beach disponível. Aliás, existe um compromisso do governo de não vender mais nenhum terreno nem em Eagle nem em Palm Beach e deixar os trechos que restam como praia pública, então se um hotel quiser se instalar em Aruba, só se for no centro (já anunciaram um) ou em San Nicolas.

O link para a notícia está aqui, em papiamento.

 

Atualização de novembro de 2014: o edifício já reabriu com o nome de Riu Palace Antillas

Como usar o celular ou smartphone em Aruba

Atualizado em agosto de 2017

Uma pergunta frequente nos comentários do blog é como fazer para usar o celular ou smartphone em Aruba ou como fazer ligações para o Brasil? Então depois de uma checada nos preços, eu resolvi facilitar a vida dos meus leitores e explicar como funciona o esquema de ligações e quanto custa. Uma informação que vale a pena saber antes de tudo: em Aruba não é possível fazer ligações a cobrar para o Brasil. Com isso em mente, vamos ver quais são as opções que existem.

A primeira opção que você tem é usar o roaming da sua operadora no Brasil. Mas essa é também a pior opção, assim que nem pense em fazê-lo! Melhor ainda, desabiite o roaming quando você vier. Meu marido, que não consegue viver desconectado, teve a má idéia de usar o blackberry por só dois dias no Brasil alguns anos atrás, só para dar uma “olhadinha” nos mails. E pagamos U$300 por isso. Fazer o caminho inverso e usar o celular do Brasil aqui, resulta numa facada nessa faixa ou maior.

A segunda opção é vir com o smartphone ou tablet ou laptop e usar wifi quando estiver disponível. Daí dá para fazer chamadas para o Brasil através de um programa de voip, como o skype, voipbuster, etc. É o que a maioria dos turistas faz e é uma boa opção para quem não faz questão de estar conectado o tempo todo. Só que é preciso levar em consideração que nem todos os hotéis tem wifi grátis. E existem hotéis que só disponibilizam internet por cabo nos quartos. Em média, os hotéis que não disponibilizam wifi grátis cobram $50 por semana pelo seu uso. Para quem prefere não pagar para ter a internet no hotel, basicamente resta ir ao Starbucks, McDonalds, Taco Bell ou algum restaurante moderninho que disponibilize. Só que eu acho que sair do Brasil para comer fast food igualzinho ao daí muito sem graça. Além do que, você vai acabar gastando com a comida e se bobear, no final vai custar mais que os $50. Então eu acho a terceira opção uma boa idéia para quem gosta de estar conectado e/ou não tem wifi grátis no hotel.

A terceira opção é comprar um sim card (chip) para o smartphone (lembre-se de que ele deve estar desbloqueado) com um plano pré-pago e adicionar um plano de dados para ter internet. Com isso você vai ter todas as facilidades do mundo como: poder ligar para um restaurante para fazer reservas, ou para diferentes operadoras para comprar um tour, ter um GPS (no caso de alugar um carro) e não se perder, estragando horas preciosas das suas férias, poder ir postando fotos das suas férias no facebook, instagram ou twitter, fazer check-in no foursquare, etc. Enfim, para mim, que sou uma dependente total de tecnologia, é imprescindível.

Em Aruba existem duas operadoras: a Setar (pronuncia-se sêitar), que antes de ser privatizada era do governo e a Digicel, que existe em Curaçao e Bonaire também. Aqui em casa, nós temos Setar, mas acho que as duas são equivalentes em cobertura. E ambas são boas. Em Aruba existe 4G de alta velocidade em toda a ilha para a transmissão de dados, resumindo: sempre você vai ter internet. Pausa para o meu choque cultural de expatriada ao passar as férias no Brasil. Comprei um chip da tim, que não sei se é melhor, pior ou equivalente às outras operadoras. Mas era um tal de lugares que tem e que não tem cobertura que é um saco. Já estou desacostumada dessa de ficar andando de um lado para o outro procurando sinal. Por ser um lugar turístico e por ser pequena, em Aruba esse problema não existe. A ilha inteira tem sinal.

Então vamos ao o mais importante, quanto se paga e como se faz:

1º Preço do sim card (chip).

Setar: $23

Digicel: $20

No preço das duas operadoras está incluído 6 dólares em ligações, o que provavelmente vai ser mais que suficiente para uma semana. No caso do crédito acabar antes, as lojinhas dos hotéis vendem cartões para recarga, a partir de 5 florins ($3).

2º Preço plano de dados (o acesso à internet).

Setar ArubaSetar 

Data bundles para quem não precisar crédito em ligações:

1 semana com 1 gb por $ 12

2 semanas com 2 giga por $ 20

 

Digicel Aruba

Digicel

1 semana por $16 com 700mb de dados

1 mês por $35 com 3gb de dados

 

 3º Onde comprar

As duas operadoras têm um quiosque no desembarque do aeroporto, que está aberto de segunda a sábado. O da Digicel abre das 10 às 19h de segunda a quinta. Na sexta, fecha às 17h e no sábado fecha às 18h.  E o da Setar abre das 9 às 17:30 h todos os dias menos domingo.

Então esse horário é o que dificulta para muitos brasileiros ter essa opção. Para os que chegam com a Avianca, vai depender da rapidez de conseguir as malas e passar pela imigração. Os que com certeza conseguem comprar o sim card no aeroporto são os passageiros da Copa. Então se você fizer parte daqueles que não conseguem comprar o sim card no aeroporto, existem duas alternativas: a Setar tem uma loja em Palm Beach, que fica ao lado do Wendy’s, mas a Digicel só tem uma loja no centro, na avenida do litoral (L.G. Smith Boulevard) em frente ao Seaport Mall.

Resumindo: comprar um sim card vale muito à pena se você se hospedar num hotel sem internet grátis ou se simplesmente quiser ficar conectado enquanto estiver de férias.

Nossa visita ao Zeerover

Muita gente considera o Zeerover um lugar obrigatório da lista de onde comer em Aruba. E por incrível que pareça, até o domingo passado eu não conhecia, hehehe. Confesso que essa afirmação sempre chocou muitos amigos, conhecidos e turistas, todos fãs de carteirinha e a verdade é que o lugar tem muita clientela fixa e móvel.

Como chegar

O Zeerover fica em Savaneta, que é um distristo de San Nicolas, então é uma boa pedida para quem estiver indo ou voltando de Baby Beach e Rodgers Beach. É super fácil de achar, desde que você saiba a entradinha para ele. Como nenhum turista sabe, eu fiz um mapinha com duas linhas, uma mostra como chegar vindo de Baby Beach e outra como chegar vindo dos hotéis. Se vocês forem espertos, podem imprimir antes de vir e não perder tempo das suas preciosas férias rodando sem destino. 😉


View Caminho para o Zeerover in a larger map

O lugar em si

Deixa eu começar contando as origens do Zeerover. Se alguém estranhar eu não estar usando o termo restaurante, é porque não é mesmo. O Zeerover (palavra que significa pirata em holandês) é um ancoradouro para pequenos barcos de pesca. Pequenos mesmo, porque aqui a pesca normalmente é um hobby que muita gente tem. Alguns ganham um dinheirinho com isso e vendem em peixerias ou restaurantes e outros só para consumo próprio. Algum tempo atrás, alguns pescadores resolveram comprar umas panelas com cestos para fritura de imersão e assim poder comer o peixe que haviam acabado de pescar. Com o tempo foram pondo mais mesinhas de madeira e depois acabaram passando a vender. E basicamente ficou assim até hoje. Lá não tem uma cozinha (razão pela qual eu me recuso a chamar de restaurante), até hoje tudo é feito nos cestos de fritura ou feito fora, previamente.

Então funciona assim: você chega e não entra. Olhe a fila que tem em frente a um mostrador do lado esquerdo. Daí você vai poder ler o menu permanente. Sempre vai ser o peixe do dia, camarão, banana frita, pan batí (um pão típico de Aruba, que comumente se come com peixes) e cebola à vinagrete. Cartão de crédito ou débito são desconhecidos por lá. Só dinheiro vivo, pode ser dólar ou florim, como em todos os lugares de Aruba.

Menu do dia

Menu permanente

Então, por curiosidade, você pergunta a uma das senhoras, qual o peixe do dia. No domingo era mahi mahi (dourado).

O nosso fresquíssimo mahi mahi

O nosso fresquíssimo mahi mahi

No mesmo instante que a senhora nos disse qual era o peixe, um pescador chegou com alguns red snapper (pargo vermelho) que ele tinha acabado de pescar. Adoramos red snapper, mas ele ia demorar um tempo para descamar, então ficamos com o mahi mahi, que também é uma delícia.

red snapper

O red snapper que não comemos

Daí vem o cálculo do preço, que é a coisa mais imprecisa do planeta. Elas perguntam o quê você vai querer, considerando o número de pessoas como unidade de medida. Então nós pedimos peixe para duas pessoas e meia (porque estávamos com a filhota) batata frita para duas pessoas e pan batí para uma pessoa. Isso sairia por U$ 24. Daí nós dissemos que queríamos camarão também, porque vimos os camarões super graúdos e com uma ótima pinta. Só que a senhora colocou uma quantidade enoorme de camarões e vimos que não íamos dar conta de comer. Depois que ela reduziu (para o que depois contamos em 22!), acabou ficando $ 11 mais caro, contando com uma porção de molho tártaro. Então, convenhamos que é farto e barato.

nossa visita ao Zeerover

Depois disso, ela passa o peixe e camarão para o senhor responsável por fritar. Nós pegamos um número e escolhemos alguma mesa para sentar. O único serviço de mesa é na hora em que tudo fica pronto. Eles trazem o peixe e a batata dentro de um cesto com papel para tirar um pouco da gordura, pratos e talheres de plástico e bom apetite!

porção de peixe e camarão

5 postas enoormes de peixe e 22 camarões graúdos, nham, nham, nham

O almoço foi fartíssimo, sobrou batata frita, porque preferimos nos esforçar em terminar o peixe e os camarões. Estava tudo uma delícia, a única ressalva que eu faço é que em algumas postas eu encontrei escamas. Mas uma coisa que é muito charmosa é a própria localização. Você se senta literalmente do lado do mar, com brisa, peixinhos nadando bem pertinho, pode ver o pôr-do-sol, se quiser, enfim super a ver com umas férias gostosas. Todo mundo lá está vestido com short, camiseta, chinelo, bem climão de praia mesmo.

Vista das mesas

Existem mesas dentro e outras do ladinho do ancoradouro

peixinho nadando

Peixe nadando aos nossos pés. Se alguém souber o nome do compridinho aí, me avise.

mesas no píer

Também é possível sentar-se no final do píer

Resumindo: vá naquele clima de quem curte comer um espetinho de camarão à beira-mar. Mas se você quiser comer um bom prato de peixe fresco, existem outros restaurantes (que também vendem peixe pescado no mesmo dia) com cozinheiros que sabem fazer outros pratos que não sejam de fritura de imersão. 😉

5 coisas que você deve saber antes de vir para Aruba

A pedidos e para responder dúvidas bem comuns, resolvi fazer essa compilação de dicas para quem está arrumando as malas.

1 – As tomadas aqui são do tipo americano e a eletricidade é 110V. Traga um adaptador  de tomada porque aqui não existem adaptadores para essa tomada de 3 pinos do Brasil, só adaptadores para o formado europeu, de dois pinos redondos para o americano.

tomada padrão americano

2 – Sempre traga um casaquinho para proteger do ar-condicionado dos restaurantes e lojas. Especialmente se vier com crianças.

3 – Você pode sacar dinheiro em Aruba, com seu cartão do Brasil, em dólares ou florins, em qualquer caixa eletrônico, desde que o seu cartão tenha o chip de alguma rede internacional como cirrus, maestro ou visa electron. A propósito, em Aruba os caixas eletrônicos funcionam 24 horas. Eu tive o meu choque cultural de expatriada em julho, quando uma amiga disse que precisava sair correndo para sacar dinheiro porque o caixa eletrônico ia fechar. Nos países onde eu morei eles não fecham. Para calcular quanto dinheiro vai precisar, dá uma lidinha nesse post.

4 – A questão da roupa de banho

Para homens

Bom, nesses catorze anos que estou fora do Brasil, eu nunca vi homens usando sunga na praia regularmente. Quando eu morava em Barcelona, de vez em nunca, eu via algum, mas de resto, do que eu conheço do mundo, homens costumam usar short de banho. O maior público das praias de Aruba, em termos de turistas, são americanos. E eles são o que há de mais conservador nesse quesito. Aqui em Aruba, se você vir um homem de sunga na praia, pode apostar que é brasileiro. Nenhum outro grupo de turistas habituais por aqui (canadenses, venezuelanos ou holandeses) têm esse hábito. E normalmente são bermudas, não shorts.

bermuda de praia

Para mulheres

Nessa área existe um pouco mais de variedade. As americanas e canadenses são as campeãs de maiôs e tanquínis (biquínis com uma camisetinha na parte do top), e a parte de baixo do biquíni costuma cobrir todo ou quase todo o bumbum.

tanquini

foto: editorial swimwear365

Já no caso das holandesas, dá pra ver de tudo, desde as mais cobertas – normalmente não por pudor, mas para proteger do sol – até as que fazem topless e/ou usam fio dental. As venezuelanas também tem um perfil mais variado nesse quesito, com uma tendência a super sexy, como as brasileiras.

Para crianças

Por incrível que pareça, acho que esse é um dos casos em que o costume brasileiro mais destoa. Para a maioria das outras nacionalidades que frequenta Aruba, a ideia da roupa de banho para crianças é proteger do sol. Eu tive o meu primeiro choque cultural na primeira vez que viemos com a filhota, ainda de férias, quando ela tinha 1 ano e 3 meses. Na Espanha, onde morávamos na época, e no Brasil, normalmente roupa de banho para bebês é uma touquinha e uma calcinha combinando. E lá fomos nós para a praia com o conjuntinho rosa. Bom, o que eu recebi de olhares desaprovadores não está escrito. Acho que fui vista como uma mãe negligente que expõe seu bebê aos raios solares sem nenhuma proteção.

Americanos e canadenses normalmente vestem suas filhas com maiô e esse maiô s-e-m-p-r-e vai ser feito de um material que tem proteção solar 50. Acho que nem se fabrica outro tipo. Se o rebento for um menino, ele normalmente vai estar vestido com um calção, como o pai e uma camiseta com fator de proteção solar também, as chamadas rash guards (parece que no Brasil chama-se camiseta UV). Se for holandês, mais ainda. Se você for à praia e vir uma família em que o pai, a mãe e os filhos estão usando camisetas do tipo rash guard, pode apostar que são holandeses. E mais certeza ainda se for rash guard de manga comprida.

camiseta e calção rash guards

foto: Flap Happy

rash guard adultos

foto: Tilos

Eu confesso que já aderi. Naquela primeira vez que viemos com a filhota, ela ganhou de presente um maiô com proteção solar, como não poderia deixar de ser e adorei! Realmente é muito mais tranquilizador ficar horas e horas com uma criança na praia, sabendo que grande parte ou a maior parte do seu corpo está protegida e não vai se queimar. Isso reduz as passadas de protetor solar (que crianças normalmente não gostam) à carinha e aos braços e ainda por cima as roupas são bonitinhas. Desde que a filhota começou a fazer natação, ela usa camisetas rash guard também e ela mesma pede. Se eu a visto com um dos maiôs, ela mesma fala: mãe, põe a camiseta para não queimar o meu ombro. Aliás, usamos tanto essas camisetas que as que ela tem estão super desbotadas, então já estou de olho em modelinhos novos. Olhem só que gracinha esse:

rash guard meninas

foto: Sunbusters Kids

5 – Essa dica eu já dei, mas vale a pena repetir. É muito comum por aqui, ir para a praia com um cooler. Aqui não existe isopor, o mais comum são como esse aí da foto. Se for muito pesado ou fizer muito volume, vale a pena trazer pelo menos uma bolsa térmica para levar à praia. Esse costume é comum, ninguém olha feio não. E ainda por cima, todos os hotéis tem máquina de gelo nos seus corredores, o que facilita muito.

cooler

 E você, veio para Aruba e tem uma dica que todo mundo deveria saber? Escreva nos comentários!

Tudo sobre o carnaval de Aruba

O carnaval de Aruba sempre começa no primeiro fim-de-semana após o ano novo e a festa continua até o domingo de carnaval, o que significa que, em anos em que a quaresma começa tarde, como em 2011, chegamos a ter quase três meses de festa e em 2016 temos quase dois meses.

Em Aruba não temos dois dias e meio de feriado, como no Brasil. Apenas a 2ª feira é feriado, então, para compensar as ganas de um povo festeiro como os arubianos, a solução foi fazer vários eventos distribuídos pelos fins-de-semana que antecedem o dia de carnaval propriamente dito. Que eu saiba, Aruba é o único país onde o carnaval dura dois meses, pelo menos foi isso o que disse o Terra nessa reportagem, que fala algumas coisas que são verdade, mas outras bobagens, como dizer que o carnaval começa com o desfile infantil ou que existe um “desfile” de pijamas. Se eles tivessem lido tudo o que eu já publiquei sobre o carnaval daqui, não teriam dado bola fora. 😉

 

lighting paradeDe uma maneira geral, podemos categorizar os eventos de carnaval em três tipos: os desfiles de rua, as festas e os concursos. Cada evento faz parte de um calendário oficial e não existem dois eventos simultâneos. Por exemplo, não existem festas particulares em clubes, como no Brasil. Aqui, sempre existe um evento único, porque considerando o tamanho da ilha, se houvessem eventos simultâneos, um esvaziaria o outro.

Desfiles

Todos os desfiles, exceto o desfile das luzes (lighting parade), acontecem durante o dia. A justificativa é que a polícia tem mais dificuldade de zelar pela segurança dos foliões e do público. Algo compreensível, considerando o quanto o povo bebe. Galera, vocês não tem noção! Desfilar por um bloco (aqui chamado grupo) implica pagar não só para ter direito a uma fantasia, mas também ter direito a bebida à vontade, antes durante e depois do desfile. Junto com cada bloco, desfila um caminhão com bebidas, que servem desde a mais inocente água até destilados, passando por refrigerantes e cervejas. Todo mundo desfila com um copo na mão e os organizadores do bloco fornecem carrinhos que passam pelas alas, enchendo os copos vazios. Muita gente chega ao final do percurso (de quase 5 km!) trançando as pernas, kkkk.

carrinho de bebidas

No geral, as fantasias das mulheres são bem mais recatadas que no Brasil, o que não é difícil, diga-se de passagem. Não existem corpos nus pintados, nem peitos de fora e mesmo as calcinhas cobrem todo o bumbum. Os desfiles são considerados eventos familiares, o que combina com a cultura da ilha. Em total, existem oito desfiles: o desfile infantil de balões de San Nicolas, os desfiles infantil de Noord, San Nicolas e de Oranjestad, o desfile de luzes de San Nicolas e de Oranjestad e os desfiles adulto de San Nicolas e Oranjestad. Normalmente, estes desfiles costumam ser espaçados por uma ou mais semanas, mas como o calendário deste ano está tão apertado, o desfile adulto de San Nicolas e o de Oranjestad vão acontecer em dias consecutivos.

Para saber mais sobre os desfiles, leiam as reportagens que eu fiz no ano passado a respeito:

O sambódromo de Aruba

O desfile infantil de balões

O desfile de luzes ou lighting parade

O desfile infantil de Oranjestad

58º grande desfile de carnaval

 Festas

As festas de carnaval, às vezes chamadas happenning, às vezes chamadas jump up, são o mais parecido ao carnaval de rua do Brasil que há. Existem bandas que tocam em cima de caminhões – os trios elétricos locais. Para todas, paga-se para entrar e ganha-se o direito de beber à vontade. Em algumas ganha-se uma camiseta e em outras, ganha-se também alguns brindes. As festas deste ano são:

Parada di tocha – Fakkeloptocht

É o evento que dá início ao carnaval, quando se acende a “chama”. Para saber mais, leia o post que eu fiz ano passado mostrando como é.

Carnaval de praia Flip Flop

Essa festa nasceu dois anos atrás, com a intenção de ser o lançamento de uma nova cerveja, a Balashi Chill (mais suave que a normal) e uma festa de carnaval para turistas. Nos dois primeiros anos, o palco foi montado em Palm Beach e era um evento aberto para todos. Este ano vão fazer em Nikky Beach e sou capaz de apostar que vai ser pago. Isso porque em nikky beach é possível fechar a praia de um dos lados (a praia termina no aeroporto), então imagino que essa seja a justificativa da mudança.

Tourist Night Steel Band e show de fantasias

Esse é um evento novo do carnaval deste ano e ainda não tenho idéia de como vai ser. Ainda não divulgaram onde e estou chutando que vai ser em palm beach, já que tiraram o flip flop de lá e puseram o nome tourist no meio.

Hebbe Hebbe Happening

Esta festa certamente ganha o concurso de nome mais curioso. Foi uma festa inventada 14 anos atrás pela Heineken. O nome é uma abreviação da frase em papiamento hende bebiendo heineken bier (gente bebendo cerveja heineken). As primeiras festas foram no estacionamento dos correios, mas ela acabou sendo tão concorrida, que acabaram tendo que mudar para o maior estádio da ilha.

Ban Djo Djo Happening

Como Aruba tem cerveja própria, a Balashi e como eles viram o sucesso da Hebbe Hebbe, os donos da Balashi resolveram fazer exatamente o que a Heineken fez. Mas para ser um pouco diferente, resolveram fazer a festa deles em San Nicolas. O esquema é o mesmo: paga-se e ganha-se camiseta, alguns brindes e o direito de beber até não poder mais. :)

Jouvert Morning ou festa do pijama

Essa era a festa predileta do meu marido nos seus tempos de adolescente, hahaha. Minha sogra ficava de cabelo em pé com a festa que começa às 4 da madrugada. Naquela época, ele e seus amigos compravam pijamas especificamente para ir pular em San Nicolas. Esse ano, pelo apertamento do calendário, vai ser no dia seguinte da Ban Djo Djo, assim que aposto que ninguém vai ir de pijama. Provavelmente o povo que ainda aguentar de pé provavelmente vai sair de uma e ir para a outra. Esta é a única festa que não é necessariamente paga. Se você quiser ir com um bloco, sempre vai ter a vantagem de ter bebida à vontade. Mas, para quem não bebe muito, pode valer à pena ir sozinho e comprar bebidas por lá.

Concursos e eleições

Tanto os concursos de música – tumba, calypso, roadmarch – quanto as eleições de prins, pancho e rainha despertam grandes paixões por aqui. Estes eventos são televisionados e a rivalidade é grande, com torcida organizada com camiseta e tudo.

Eu contei sobre os concursos nesse tópico:

Os ritmos do carnaval

 

E sobre as eleições nesse tópico:

Os príncipes e rainhas do Carnaval

 

Para finalizar, não deixem de ler o post que eu fiz em 2012 contando as particularidades do carnaval arubiano, até bacanal tem. 😮

4 coisas que você não sabia sobre o carnaval de Aruba

 

Cinco dicas para o fim de ano em Aruba

Para o pessoal que está chegando para passar Natal e Ano-Novo em Aruba, aí vão algumas dicas de última hora.

1) Não deixe de ver a casa de luz de Seroe Preto. Vai render fotos incríveis e também a oportunidade de experimentar um pouco dos salgadinhos locais, como pastechi (um pastel com massa mais grossa) ou cheeseball. O cheeseball não tem nada a ver com a bolinha de queijo do Brasil, aqui o queijo não é um recheio, mas sim parte da massa. De quebra todas as noites tem shows com grupos de gaita, que tocam as músicas natalinas de Aruba.

2) Aproveite o passeio de carro noturno para ver as rotatórias incrivelmente iluminadas que estão por todas as partes, tanto pelo litoral quanto pelos bairros.

Rotatória em frente ao Wendys

Rotatória em frente ao Wendys

rotatoria atras do wendys

Rotatória do bairro de Pontón

rotatória de Tanki Flip

Rotatória de Tanki Flip

Mas para mim, a melhor rotatória desse ano é a de Wayaca. Eles fizeram um presépio em tamanho natural e que gira. Tentamos fazer um filminho, para tentar dar uma idéia. Para chegar a essa rotatória é simples, ela fica bem em frente ao aeroporto, em direção ao centro da ilha.

3) Em relação às ceias de fim de ano, as minhas recomendações são as mesmas do post que eu fiz sobre onde comer em Aruba. Existem muitas opções de ceias tanto de Natal quanto de Ano Novo, então comparem as opções, os preços e as condições. Alguns lugares tem shows de fogos, outros não, alguns lugares incluem a bebida, outros não, alguns lugares vendem entradas, outros fazem reservas com cartão de crédito. Só um conselho ao escolher o lugar da ceia: só saia de perto do hotel se estiver de carro, se você estiver de táxi, escolha um lugar perto, porque depois das 21h, os táxis somem nesses dias de festa.

4) Para o reveillón, cada hotel prepara a sua festa, normalmente após o jantar (você paga a ceia e o show está incluído). O estilo varia segundo o estilo do hotel: normalmente as festas do Hyatt são muito chiques e formais, enquanto as festas do Marriott são mais do estilo de carnaval, com algum show de um grupo famoso daqui, os mais conhecidos são Tsunami, Le Groove e Youth Xtreme. Se você é solteiro e quer uma balada, as opções são poucas. Dois dos lugares que costumam reunir jovens solteiros por aqui são o Moomba Beach, um bar de praia que fica entre o Holiday Inn e o Marriott e o Señor Frogs. Eu sugiro que para saber qual vai ser a festa mais badalada, você vá a um desses lugares e pergunte para os garçons ou frequentadores.

5) Independente de onde você estiver passando o seu réveillon, quando der a meia-noite, tente estar num lugar alto para ver a queima de fogos. A diferença entre ouvir os fogos de baixo e ver os fogos de cima é bem grande. Fique esperto se você resolver pular as ondinhas: as praias de Aruba não tem nenhum tipo de iluminação e de noite o mar é bem mais agitado. Aliás, ir para a praia à noite é considerado um ab-sur-do por aqui. Sério, se você quer chocar um arubiano é falar que quer ir para a praia à noite, eles imediatamente assumem que você quer ir transar, vixe!

Casa de luz de Seroe Preto 2012

casa de luz de Seroe Preto 2012Sexta-feira foi o dia da nossa já tradicional visita à casa de luz de Seroe Preto. Como eu expliquei no ano passado, eu acho esse um dos passeios mais legais para se fazer em Aruba nas festas de fim de ano. A decoração desse ano foi quase igual à do ano passado, o que gerou algumas críticas, mas como tudo é voluntário, quem quiser que faça melhor, né? A primeira casa é diferente do ano passado, este ano foi transformada numa igrejinha e a segunda é praticamente igual só mudou de amarelo para verde.

É o passeio legal para crianças (a filhota agora pede para ir todos os dias) e os adultos vão se cansar de tirar fotos de diferentes ângulos.

túnel que leva à capelinhaEsse é o caminho que leva ao presépio da casa de luz. Não tem pai ou mãe que resista a tirar uma foto do rebento junto à capelinha.

filhota junto ao presépio

E nós não fomos diferentes. ;)

Tanto de longe quanto de perto, a vista é sensacional.

vista do morrinho de Seroe Preto

foto da família trapo

A filhota ainda precisa ensaiar um sorriso mais natural, hehehe.

 Detalhe dos sinosvegetação ao redor da casaA escada ficou tão bonita que dá vontade de subir várias vezes.

detalhe da escadaAs diversas formas inspiram criativadade em muita gente. Esse aí resolveu simular uma peruca.

foto criativa

 

pai e filha na igrejinhaOutra coisa que eu achei interessante é que todas as luzes que ficam nas casas são coladas com cola quente em cartolina. Isso tem que dar um trabalho da peste.

foto familia KockMas o resultado faz a alegria de muita gente! :)

Como qualquer caminho que saia do litoral acaba ficando difícil para quem não é daqui, eu resolvi fazer o mapinha para dar uma mão.

 


View Rota para casa de luz de Seroe Preto in a larger map

 

Carubbian Festival – uma reportagem fotográfica

carubbian festival

Eu já falei um pouco do Carubbian Festival aqui, mas como uma imagem vale mais que mil palavras, uma reportagem fotográfica e com vídeo vai dar uma ótima idéia do que se trata. A oportunidade para as fotos veio na semana passada, quando foi inaugurado o posto de informações turísticas de San Nicolas, desenhado pelo meu querido marido. Olha só que lindão que ficou:

vista da fachada do posto

detalhe do interior

banda tocando

A inauguração teve show de música típica

O Carubbian é uma festa popular, promovida pelo ministério de turismo, que tem a intenção de preservar e mostrar a cultura popular, com música, artesanato e comidas típicas. Ele acontece em San Nicolas, todas as 5ªs feiras, das 18h às 22h. Os hotéis costumam vender um pacote que dá direito a transporte, ao show (que é a única parte paga do festival) e fichas para gastar lá – toda a comida vendida pode ser paga com fichas. Para os mais aventureiros, também é possível ir de ônibus de linha, que sai direto dos hotéis e cujo ponto final é bem na rua do festival.

mesa de pães e doces

vendedor de água de côco

confeiteira local

banca de artesanato

Artesanato local

banca de bijuterias

Eu, que sou do tipo que sempre está precisando de um brinco novo, adoro esse tipo de banca.

detalhe da banca de quadros e bijoux

banca de pulseiras coloridas

artesão

visão geral da rua

Outro motivo para ir ao Carubbian é conhecer o lendário Charlie’s Bar. Esse é um bar que existe há 71 anos, e, como tudo em San Nicolas, nasceu em função da refinaria. Dizem que a comida é ótima, mas o que chama a atenção mesmo é a decoração feita com milhares de badulaques trazidos por clientes. As pessoas costumam levar para lá alguma coisa típica do seu país ou da sua cidade e isso passa a fazer parte da decoração do bar.

fachada Charlie's Bar

vista do interior Charlie's Bar

Não dá pra ver muito bem, mas o lugar é apinhado de tranqueiras, inclusive o tetol

detalhe da fachada Charlie's Bar

A verdade é que visitar San Nicolas é atração turística até para nós de Oranjestad. O perfil da população é totalmente outro, inclusive lá é mais comum escutar inglês que papiamento. Em termos de perfil de habitantes é como se houvessem duas Arubas. Os moradores de Oranjestad, de modo geral, são de uma colonização mais antiga. Aruba  – ao contrário de Bonaire e Curaçao – nunca teve escravos. Para quem não sabe, os holandeses foram grandes mercadores de escravos e eles usaram suas colônias na época: Suriname, Curaçao, Bonaire e Sint Maarten como entreposto para o comércio negreiro. Aruba foi colonizada depois que a escravidão já tinha acabado, então quando os holandeses decidiram colonizar Aruba, os habitantes eram basicamente indígenas. De lá pra cá já houve muita miscigenação e muita imigração: de holandeses, chineses, filipinos, de muitos países sulamericanos e também de outras ilhas do Caribe. Mas, quando você pensa num arubiano da gema, tipicamente, ele não vai ser negro nem mulato.

Até que veio a refinaria, instalada em San Nicolas. Quando a refinaria veio, a cidade nem existia. Ela passou a existir como moradia para os trabalhadores dela. E esses trabalhadores vieram, em sua quase totalidade, de outras ilhas do Caribe. A quase totalidade das ilhas caribenhas fala inglês, as ilhas que, como Aruba, não tem o inglês como sua língua materna são exceção, o inglês é falado na grande maioria das ilhas. Então habitante típico de San Nicolas é negro, tem o inglês como sua língua materna e é protestante. Outra contribuição dos imigrantes que vieram para San Nicolas foi a parte musical. Foram eles que trouxeram os ritmos caribenhos que deram início ao carnaval arubiano 58 anos atrás.

Então, para finalizar, vou deixar um vídeo do Carubbian, com casais dançando merengue, que é um ritmo originário da República Dominicana e que não tem nenhum arubiano que não saiba dançar. :)

Carubbian Festival