Um almoço e um jantar no Gostoso

 

vista do salão

Fazia tempo que eu tinha vontade de conhecer o restaurante português/arubiano Gostoso. Os leitores do tripadvisor que se deram o trabalho de deixar uma crítica, o deixaram no 1º lugar entre os restaurantes de Aruba,  então eu tinha que comprovar por mim mesma.

Localização

Chegar ao Gostoso não é muito fácil, convenhamos. Não que ele esteja longe. Ele fica no centro, mas fica numa rua bem escondidinha, em frente ao antigo hospital. O google mudou as regras do google maps para fazer a gente pagar, assim que agora o mapa não aparece bonitinho como antes, mas quem quiser ver um jeito fácil de chegar sem se perder, deem uma olhada:

Almoço

A primeira oportunidade de ir ao Gostoso foi um almoço num belo domingão de novembro. Como eu estou trabalhando desde novembro (cobrindo uma licença-maternidade até o fim de março) não é sempre que estou a fim de cozinhar no domingo. Então, no dia que o maridão falou: vamos almoçar fora? eu não pensei duas vezes. Ligamos para fazer a reserva e aproveitei para já ver o menu de almoço on-line. Não são todos os restaurantes de Aruba que necessariamente você tem que ter reserva, mas como nunca se sabe, a gente prefere sempre ligar antes.

Eu gostei do site do restaurante, é simples e acessível. E eu acho que ter o menu com preços on-line é uma mão na roda. Em primeiro lugar, porque você pode ter uma ideia do que eles servem e se todo mundo da família vai ter alguma coisa que gosta. E em segundo lugar para já ter uma ideia do preço e não ter surpresas na conta. Outra coisa que eu gostei foi ver os preços em florins que dão uma sensação de familiaridade.

O Gostoso é um restaurante familiar, fundado por José do Nascimento, um português nascido na ilha da Madeira e criado em Aruba. O menu reflete isso, com toques portugueses e caribenhos.

O restaurante é pequeno (eu contei oito mesas para dentro e duas para fora) e aconchegante, José e sua família vivem nos fundos dele e pelo o que eu notei, ele faz tudo por lá. Ele é o chef e também faz as vezes de hostess, quando tem tempo, vindo cumprimentar os hóspedes e explicar os pratos. As paredes são cobertas de azulejos e outros mimos da terrinha, da Holanda e até da Espanha.

Nós escolhemos do menu de almoço por um preço fixo de Afl. 40,50 (uns $23) sem incluir bebidas. Pode-se pedir a la carte também, mas como tudo o que queríamos estava no menu, ficamos com ele.

detalhe da parede

Para começar pedimos o tal sushi criollo (para quem não sabe, em espanhol, criollo se refere a uma comida típica de um lugar, não tem nada a ver com raça), que era um sushi enrolado numa banana, em vez de alga. Eu achei diferente, mas ficou com gosto de sobremesa, então para o meu gosto, não achei legal começar comendo algo doce. De todos os modos, fomos para comer algo diferente e valeu.

sushi criollo

Sushi criollo

De segundo prato, eu pedi a bacalhoada (Bacalhau Portuguese Style do menu) e o marido pediu Steak di Lomito a Caballo, que é o tradicional bife a cavalo do Brasil. Os dois estavam gostosos e bem feitos.

Bacalhoada

Bacalhoada

Lomo a caballo

Bife a cavalo

A sobremesa foi o ponto baixo para mim, pedi um bolo de chocolate e ele era suspeitamente idêntico ao vendido num grande supermercado da ilha e bem sem graça. Meu marido pediu o pudim de côco (no menu aparece como quesillo de coco) e gostou. Nós pedimos para beber uma sangria, que estava deliciosa, por sinal. Todos os restaurantes de Aruba oferecem água com gelo, assim que às vezes nem pedimos bebidas à parte.

Na hora da conta, uma surpresa. os valores não pareciam bater. Achamos estranho porque a nossa conta era bem fácil de fazer: tínhamos pedido 2 menus, 1 pasta bolonhesa para a filhota e 1 sangría. Eles adicionam 15% de gorjeta à conta, como a maioria dos restaurantes de Aruba faz. Como a conta tinha vindo só com o valor total, pedimos para ver o detalhe das bebidas e lá constataram que o garçom de bebidas tinha posto um valor de outra mesa na nossa e a conta foi revista, o garçom se desculpou.

Jantar

Em dezembro, resolvemos voltar, desta vez para um jantar com meus sogros. Na temporada de natal, a maioria dos restaurantes oferece um menu especial, com 3 ou 4 pratos por um preço fixo. Mas fiquem de olho, nem sempre o garçom te dá essa opção. Quando nós chegamos, por exemplo, o garçom nos trouxe um menu a la carte normal e só quando perguntamos se havia algum menu especial é que ele trouxe o menu de natal. Então fica a dica: sempre pergunte se existe um menu especial, você pode dar a sorte de conseguir um early bird ou qualquer outro menu comemorativo.

menu de natal

Na nossa mesa acabamos optando alguns pelos bolinhos de bacalhau (pasteis de bacalhau) e outros pela lula empanada (calamari breaded). Tudo uma delícia!

calamari breaded

Lula empanada

bolinho de bacalhau

Bolinho de bacalhau

De prato principal, o meu sogro foi de especial de frutos do mar e dourada (seafood special) que eu até teria experimentado se não tivesse um molho à base de leite de côco. Eu sei que tem gente que adora a combinação de leite de côco com peixe, mas coisas doces no meu prato salgado não me inspiram muito. De todos os modos ele adorou.

seafood special

Especial de frutos do mar

Nós outros três fomos de surf & turf. Não sei se existe um nome para isso em português, mas essa é uma denominação para qualquer prato que combine carne vermelha com peixe e/ou frutos do mar. O surf & turf naquele dia era filé mignon com tempurá de camarões gigantes. Estava divino, de comer rezando.

Surf&turf ou mar e montanha

Surf & turf

Aliás, entre o primeiro e o segundo prato, todos ficamos tão cheios que trocamos a sobremesa por um café ou chá.

O único porém da noite foi a hora da conta, de novo. Como nós tínhamos convidado meus sogros, eu fiquei encarregada fazer os acertos. Fui até o caixa, conferi a conta, estava tudo certinho. Tinha dado $180 para os 5, com bebidas e tudo. Até aí tudo bem. Daí eu vi que eles não tinham adicionado os 15% de gorjeta, então disse para o caixa arredondar para $200. Bem na hora de passar o cartão o caixa viu que não tinha posto os 15% e falou: ficou faltando a taxa de serviço. Daí, ele alegremente adicionou $27. Resultado: acabamos pagando generosos $47 de gorjeta, em vez de $27. Bom, nem tudo é perfeito. Da próxima vez, vou ficar mais esperta.

 

O nosso jantar “early bird” no Taste of Belgium

Em dezembro, eu e maridão fizemos 9 anos de casados e ganhamos dos meus sogros um vale-presente do restaurante Taste of Belgium.  Então semana passada aproveitamos que a filhota de 6 anos se independizou, decretando que vai dormir todas 6as na casa dos avós e resolvemos fazer um kit jantar+cinema.

O Taste of Belgium fica no shopping Palm Beach Plaza Mall, onde também tem um complexo de salas de cinema. Como o filme (The Hobbit) começava às 20:45h, resolvemos ir mais cedo para aproveitar o nosso jantar tranquilamente.

Chegamos e fomos simpaticamente recebidos pela supervisora do lugar, uma jamaicana muito amável e sorridente que nos deixou escolher a mesa que queríamos. A seguir veio o garçom de bebidas que nos deu o cardápio de bebidas e gentilmente disse que a gente pedisse logo, ainda aproveitava a promoção de 2×1 da happy hour. Pedimos duas piñas coladas porque eu não bebo cerveja, mas os cervejeiros têm à sua disposição um cardápio com especialidades belgas.

nossas bebidas 2x1

 

cardapio de cervejas

Algumas das especialidades

A seguir, veio a garçonete de comida e nos deu uma melhor surpresa ainda: como faltavam 5 min. para as 19h, nós ainda tínhamos o direito de escolher do menu early bird. Para quem não sabe, a expressão early bird, em inglês, se refere a pessoas com o hábito de fazer tudo mais cedo, acordar cedo, comer cedo e dormir cedo. Normalmente são pessoas mais velhas e quem tem pais ou avós que almoçam às 11h e jantam às 17:30h podem por a mão aqui. ;) Como uma forma de tornar seus restaurantes mais rentáveis, alguns restaurantes fazem menus com desconto, como uma forma de não deixar o restaurante vazio num horário que não costuma atrair a maioria das pessoas. O menu costuma ter um preço fixo com poucas opções de pratos e é oferecido das 17h às 19h.

O bom foi que nós fomos ao Taste of Belgium preparados para pagar caro. Até brincamos que o gift certificate de $30 só ia dar para pagar a sobremesa, então a dupla surpresa de comida e bebida mais baratos nos fez ficar felizões antes mesmo de comer, huahuahua. O early bird menu custa $27,50 e te dá 2 opções de entrada, 2 opções de prato principal e uma escolha entre sobremesa ou café. Não sei se todos os dias é igual, mas no dia que fomos dava para escolher entre uma salada ou uma sopa de cogumelos de entrada, uma garoupa ou um filet mignon com molho de cogumelos de prato principal e a sobremesa era uma bola de sorvete com salada de frutas. Nós dois escolhemos igual: sopa e filet mignon.

sopa de cogumelos

Sopa diliça com pãozInho

filet mignon

Filet mignon tão molinho que nem precisava cortar…

Pelo o que a gente notou, todos os pratos principais vinham com as batatas fritas típicas da Bélgica, que sempre vem em um cone e com maionese e ketchup de acompanhamento. A sopa estava ótima, mas o filet mignon estava di-vi-no. A carne era tão macia que nem precisava cortar, era só dar uma puxadinha com o garfo e a faca, o molho dava a vontade de lamber o prato. Eu nem consegui terminar a sobremesa de tão cheia que estava mas as frutas estavam fresquinhas e o sorvete eram bons também. Meu marido finalizou o jantar com um chá de hortelã que era bem gostosinho e fresco.

salada de frutas

Sobremesa

chá de hortelã

Olhem que copo de chá mais lindo

No final a conta deu $64 e veio sem taxa de serviço (existem restaurantes que incluem e outros não), sendo que nós acrescentamos $11 de gorjeta porque estávamos realmente satisfeitos com tudo: com o fato deles terem oferecido o menu early bird para escolher (muitos restaurantes têm essa opção, mas nem sempre os garçons avisam, olhem a pegadinha), com o fato do garçom de bebidas também nos ter alertado para a promoção 2×1 da happy hour e com tudo em geral.

Agora vejam se valeu à pena: no site do restaurante dá para ver que a sopa custa $6.50 e o “filet mignon Belgique” $26.75. Isso sem nem contar a salada de frutas com sorvete que não fazem parte do menu “normal”, então não podemos comparar o preço.

Assim que fica a dica para aqueles que se dispuserem a sair um pouquinho mais cedo da praia a tempo de ter um jantar mais econômico. Também é uma boa pedida para quem tem crianças pequenas que provavelmente vão estar cansadas de brincar o dia inteiro na praia e não vão aguentar estar acordadas para um jantar mais demorado. :)

Nossa visita ao Zeerover

Muita gente considera o Zeerover um lugar obrigatório da lista de onde comer em Aruba. E por incrível que pareça, até o domingo passado eu não conhecia, hehehe. Confesso que essa afirmação sempre chocou muitos amigos, conhecidos e turistas, todos fãs de carteirinha e a verdade é que o lugar tem muita clientela fixa e móvel.

Como chegar

O Zeerover fica em Savaneta, que é um distristo de San Nicolas, então é uma boa pedida para quem estiver indo ou voltando de Baby Beach e Rodgers Beach. É super fácil de achar, desde que você saiba a entradinha para ele. Como nenhum turista sabe, eu fiz um mapinha com duas linhas, uma mostra como chegar vindo de Baby Beach e outra como chegar vindo dos hotéis. Se vocês forem espertos, podem imprimir antes de vir e não perder tempo das suas preciosas férias rodando sem destino. ;)


View Caminho para o Zeerover in a larger map

O lugar em si

Deixa eu começar contando as origens do Zeerover. Se alguém estranhar eu não estar usando o termo restaurante, é porque não é mesmo. O Zeerover (palavra que significa pirata em holandês) é um ancoradouro para pequenos barcos de pesca. Pequenos mesmo, porque aqui a pesca normalmente é um hobby que muita gente tem. Alguns ganham um dinheirinho com isso e vendem em peixerias ou restaurantes e outros só para consumo próprio. Algum tempo atrás, alguns pescadores resolveram comprar umas panelas com cestos para fritura de imersão e assim poder comer o peixe que haviam acabado de pescar. Com o tempo foram pondo mais mesinhas de madeira e depois acabaram passando a vender. E basicamente ficou assim até hoje. Lá não tem uma cozinha (razão pela qual eu me recuso a chamar de restaurante), até hoje tudo é feito nos cestos de fritura ou feito fora, previamente.

Então funciona assim: você chega e não entra. Olhe a fila que tem em frente a um mostrador do lado esquerdo. Daí você vai poder ler o menu permanente. Sempre vai ser o peixe do dia, camarão, banana frita, pan batí (um pão típico de Aruba, que comumente se come com peixes) e cebola à vinagrete. Cartão de crédito ou débito são desconhecidos por lá. Só dinheiro vivo, pode ser dólar ou florim, como em todos os lugares de Aruba.

Menu do dia

Menu permanente

Então, por curiosidade, você pergunta a uma das senhoras, qual o peixe do dia. No domingo era mahi mahi (dourado).

O nosso fresquíssimo mahi mahi

O nosso fresquíssimo mahi mahi

No mesmo instante que a senhora nos disse qual era o peixe, um pescador chegou com alguns red snapper (pargo vermelho) que ele tinha acabado de pescar. Adoramos red snapper, mas ele ia demorar um tempo para descamar, então ficamos com o mahi mahi, que também é uma delícia.

red snapper

O red snapper que não comemos

Daí vem o cálculo do preço, que é a coisa mais imprecisa do planeta. Elas perguntam o quê você vai querer, considerando o número de pessoas como unidade de medida. Então nós pedimos peixe para duas pessoas e meia (porque estávamos com a filhota) batata frita para duas pessoas e pan batí para uma pessoa. Isso sairia por U$ 24. Daí nós dissemos que queríamos camarão também, porque vimos os camarões super graúdos e com uma ótima pinta. Só que a senhora colocou uma quantidade enoorme de camarões e vimos que não íamos dar conta de comer. Depois que ela reduziu (para o que depois contamos em 22!), acabou ficando $ 11 mais caro, contando com uma porção de molho tártaro. Então, convenhamos que é farto e barato.

nossa visita ao Zeerover

Depois disso, ela passa o peixe e camarão para o senhor responsável por fritar. Nós pegamos um número e escolhemos alguma mesa para sentar. O único serviço de mesa é na hora em que tudo fica pronto. Eles trazem o peixe e a batata dentro de um cesto com papel para tirar um pouco da gordura, pratos e talheres de plástico e bom apetite!

porção de peixe e camarão

5 postas enoormes de peixe e 22 camarões graúdos, nham, nham, nham

O almoço foi fartíssimo, sobrou batata frita, porque preferimos nos esforçar em terminar o peixe e os camarões. Estava tudo uma delícia, a única ressalva que eu faço é que em algumas postas eu encontrei escamas. Mas uma coisa que é muito charmosa é a própria localização. Você se senta literalmente do lado do mar, com brisa, peixinhos nadando bem pertinho, pode ver o pôr-do-sol, se quiser, enfim super a ver com umas férias gostosas. Todo mundo lá está vestido com short, camiseta, chinelo, bem climão de praia mesmo.

Vista das mesas

Existem mesas dentro e outras do ladinho do ancoradouro

peixinho nadando

Peixe nadando aos nossos pés. Se alguém souber o nome do compridinho aí, me avise.

mesas no píer

Também é possível sentar-se no final do píer

Resumindo: vá naquele clima de quem curte comer um espetinho de camarão à beira-mar. Mas se você quiser comer um bom prato de peixe fresco, existem outros restaurantes (que também vendem peixe pescado no mesmo dia) com cozinheiros que sabem fazer outros pratos que não sejam de fritura de imersão. ;)

Comidas típicas de Aruba – doces de padaria

doces tipicos padaria arubaVai um dente de cachorro aí? Ou quem sabe uma orelha? Que tal experimentar uma caquinha? Opa, não se assuste! São só iguarias típicas de Aruba. :D Faz tempo que estou devendo um ou mais posts sobre as comidas típicas de Aruba. O problema é o perfeccionismo. Eu fico querendo ter fotos legais, daí as vezes estou sem a câmera, às vezes falta bateria, às vezes esqueço. Até que eu lembrei que pelo menos uma categoria é fácil de ter fotos: a dos doces de padaria. Então bastou fazer uma visita à padaria do meu bairro para poder fazer a reportagem fotográfica. :)

Vejam um pouco da variedade dos artigos de confeitaria.

Tert

tert de côco e ameixa Um doce comum é basicamente por coisas dentro de uma massa amanteigada. Isso é chamado tert por aqui. As tortinhas mais comuns são tert di pruim (torta de ameixa) e tert di coco (torta de côco).

 Cocada

cocada tradicional Aruba

Assim como no Brasil, existe uma grande variedade nos tipos de cocada. A mais comum ou tradicional é a branca ou com colorantes.

cocada de açúcar mascavo e de amendoim

 

Existem as feitas com açúcar mascavo e outras feitas com amendoim.

cocada de leite em pó e de leite condensadoTambém tem as feitas com leite condensado e as feitas com leite em pó.

cocada de amendoim e dente de cachorroE finalmente a cocada de amendoim (esquerda) e o famoso dente de cachorro (djente di cacho) à direita, que nada mais é que uma cocada feita com côco em pedaços.

Bolos

Bolo di manteca

Uma das poucas palavras que o papiamento de hoje em dia tem em comum com o português é a palavra bolo. Nas padarias nunca falta uma sessão de bolos brancos com diversos recheios: doce de leite (aqui chamado caramelo), chocolate ou creme. Bolo branco aqui é chamado de bolo di manteca.

cupcakes e mini-cupcakes

Também sempre estão presentes os cupcakes e mini-cupcakes.

bolos diversos

Em Aruba, segue-se a tradição holandesa de vender bolos em porções já cortadas e embaladas. Cortar e pesar ao gosto do freguês nem pensar. Morro de lombrigas só de pensar na amor aos pedaços…

bolos tradicionais

Bolos tradicionais como de gelatina colorida, de chocolate, de cheesecake ou de tiramisú.

bolo di cashupeteEsse é o meu favorito: bolo di cashupete (castanha de caju). Amo de paixão: é um bolo com creme de castanha de caju moída com açúcar e manteiga. Quem experimenta não esquece jamais! É o mais caro, isso é verdade, mas castanha de caju é cara em todos os países que eu conheci. Se alguém souber de um lugar onde a castanha de caju seja barata, me avisa que vou lá me acabar de tanto comer.

Donuts

donuts

Os donuts, com glacê, sem glacê, recheados ou não também são consumidos no café-da-manhã. Antes de sair do Brasil, a idéia de comer um doce no café-da-manhã me parecia estranha, mas depois de morar oito anos na Espanha e dois em Aruba, acabei me acostumando com a idéia.

 Flappen e tortas

pruimflap e tortasUm doce tradicional holandês é o appelflap, muito comum de encontrar por aqui. O conceito é simples; põe-se um pouco de geléia de maçã dentro de um pedaço de massa folhada. Aqui em Aruba, o povo foi além e criou variações com ameixa (arubiano adora ameixa e passas) e com creme de baunilha. Sabe aquelas tortinhas de morango que tem no Brasil? Aqui também costuma ter, mas como agora não é época de morango, surgem variações com frutas diversas.

Cookies

cookiesOs biscoitos amanteigados aqui são conhecidos pelo nome em inglês e às vezes podem ter alguma variação, como recheios.

Oreya

oreyaOlha a orelha aí, gente! Esse pão meio caramelizado recebe esse nome porque seu formato supostamente lembra as orelhas de um elefante. :P

 Bolita di tamarijn

bolita di tamarijn

Eu nunca experimentei esse aí porque eu achava que era feito de amendoim (que eu detesto), mas agora que descobri que é de tamarindo, vou me arriscar.

Dulce de leche, kakinja e chupa bebe

dulce de leche, kakinja e chupa bebe

 

Os nomes são diferentes, mas os sabores conhecidos. O que se conhece como dulce de leche aqui em Aruba é o nosso doce de leite ninho, o tal kakijna (pronucia-se caquinha) é o nosso puxa-puxa e o chupa bebe (diz-se chupa bêbe) é aquele docinho tipo pirulito, mas transparente. Não consigo me lembrar o nome, mas sei que tem no Brasil sim.

Vla hoorntjes e tompouce

 

vla hoorntjes e tompouce

 

E por fim, duas iguarias holandesas fáceis de achar aqui no meu cafofo caribenho: vla hoorntjes (chifres de vla) e tompouce (pronuncia-se tompús). O tompouce é o doce favorito do maridão (às vezes ele mente que perde para o meu pavê, mas eu não acredito). Já eu prefiro um vla de supermercado, bem geladinho para comer com colher. E vocês? Alguém aí ficou com lombriga?

Meu aniversário no Blossoms

retrato de familia

Dia 4 foi meu aniversário e resolvemos comemorar num dos nossos restaurantes favoritos, o Blossoms. Aliás, a temporada de aniversários em setembro está alucinante: estamos tendo uma média de 3 por semana. Na próxima é o aniversário da filhota e por isso não costumo fazer nada no meu. Festa de criança sempre tem aquelas preparações trabalhosas, como fazer convite, comprar coisas do tema, preparar os saquinhos surpresa, comprar os badulaques da pinhata e como a família do meu marido é grande, eu não tenho ânimo de receber mais de cem pessoas duas vezes no mesmo mês.

Fazia muito tempo que não íamos ao Blossoms, que é um restaurante asiático cujo forte é o show nas mesas de teppanyaki. Teppan yaki significa carne na chapa em japonês e os restaurantes de teppanyaki são muito populares nos EUA e, consequentemente, não podia faltar em Aruba. Pelo o que me consta, na versão brasileira, a carne e os legumes são levados para a mesa numa chapa, mas fora do Brasil, esse tipo de restaurante costuma incluir um show. Os clientes se sentam em cadeiras postas em forma de U ao redor de um balcão e no centro tem uma chapa, onde o chef prepara o yakimeshi, os legumes e a carne na frente dos clientes, normalmente fazendo malabarismos com os talheres, com os ovos e fazendo desenhos com o yakimeshi. Em cada mesa com show sentam-se até quinze pessoas, o que significa que, a não ser que você esteja num grupo grande, vai se sentar com outras pessoas. Na nossa mesa haviam dois outros casais, todos turistas americanos, muito sociáveis e falantes, como costumam ser.

Uma das coisas que gostamos (principalmente a filhota) no Blossoms é a decoração, cheia de efeitos com água.

aquario

filhota admirando uma das cascatasfilhota curtindo a cascatinha

 

O menu era simples, algumas opções de entrada e na seção de prato principal, basicamente o que você tem pra escolher são os tipos de carne que quer, porque o menu já inclui uma sucessão de pratos. Acabamos pedindo um tempurá de entrada, mas nem devíamos, porque acabamos não conseguindo terminar nossa comida de tão cheios. Os preços do prato principal variavam de uns $27 a $39, dependendo do tipo de carne. Pedimos dois special of the day, que naquele dia era um mixto de carne, frango e camarão.

A refeição começou com uma saladinha. Tomei uma piña colada para acompanhar aproveitando que não estava dirigindo. :D

nossa salada e bebidasEm seguida havia duas opções de sopa, escolhemos a de frango (não me lembro qual era a outra). Na verdade é mais um caldo porque do frango mesmo, nem sinal.

sopa de frango Depois veio o tempurá que tínhamos pedido à parte.

tempuráA seguir, chegou o chef e começou o show. O primeiro truque que ele fez foi acender um fogo que assustou tanto a filhota, que demoramos quase dez minutos para que ela se acalmasse e aceitasse sentar-se na mesa outra vez. Por isso, fica um aviso aos pais de crianças pequenas: talvez seja uma boa ideia pedir ao chef para saltar essa parte do fogo. O resto do show, achamos bem fraquinho, talvez porque tenhamos tido um chef tão bom da última vez, que fazia tantos truques, que ficou aquela expectativa na nossa cabeça. Ele, por exemplo, só fez um desenho com o arroz enquanto o outro fazia vários, realmente brincava com a imagem. Então, a questão do show acaba dependendo muito de sorte, porque pelo visto, o nível dos chefs não é igual.

chef preparando o arroz

 A quantidade de comida acabou superando a nossa fome.

teppanyaki de carne e legumes

Para finalizar, faz parte do menu um sorvetinho. Como meu marido tinha avisado que era meu aniversário, o meu veio bem grandão, com uma daquelas velas que parecem um foguete e os garçons vieram cantar parabéns para mim.

meu sorvete de parabéns

A conta veio salgada, mas isso já sabíamos, saiu $114. Tínhamos pedido dois pratos, um tempurá de entrada e umas 4 bebidas. Os 15% do serviço vieram incluídos na conta. Resumo da nossa experiência: ficamos decepcionados com o show, que foi a maior razão de termos ido lá, mas a comida era farta e gostosinha. Bom, eu achei a carne salgada, meu marido achou normal, mas talvez seja porque eu ando usando cada vez menos sal, então pode ser uma questão de paladar.

Você já comeu em restaurante teppanyaki? Deixa o seu relato aí pra gente comparar nossa experiência. ;)

Onde comer em Aruba

Eu demorei para fazer esse post e um dos motivos é que eu pensava que eu teria que conhecer a grande maioria dos restaurantes para poder dar uma opinião justa. Mas, como eu andei lendo algumas coisas estranhas em fóruns e blogs de viagens, eu cheguei à conclusão de que também posso dar o meu pitaco.

Vejam bem, eu acho que todo mundo tem direito a opinião a respeito da sua experiência pessoal, então claro que alguém pode escrever a respeito dos restaurantes que foi, de qual prato pediu, de como foi atendido. Tudo isso é super válido. O que eu não concordo são generalizações como: “não vale a pena hospedar-se no centro ou em Eagle Beach porque todos os restaurantes e vida noturna estão em Palm Beach” ou “em Aruba encontra-se muita comida internacional, mas encontrar um restaurante com peixe e frutos do mar é impossível”. Eu acho que vir passar uma ou duas semanas e escrever algo tão genérico é uma falta de noção muito grande. Palm Beach é uma região que foi desenvolvida nos últimos oito ou dez anos e se a vida noturna de Aruba se resumisse àquela zona, o país não teria prosperado à base do turismo nos últimos 70 anos

Eu sou do tipo que gosta de restaurantes únicos, não de rede. Restaurantes que tenham uma história. Restaurantes cujo dono tem alguma ligação com o tipo de comida que ele serve. E na maioria das vezes, se você quiser encontrar algo assim, precisa buscar restaurantes que já estão há mais tempo no mercado, que já carregam uma tradição de servir bem e que já foram avaliados por pessoas que conhecem muitos restaurantes em Aruba.

Eu, por exemplo, prefiro os restaurantes do centro. Se perguntarem para mim, onde estão os melhores, eu digo que estão lá. O motivo é simples: os restaurantes do centro não são restaurantes de grupos internacionais, que resolveram investir em Aruba. São restaurantes únicos, familiares, que carregam uma história e tradição.

Um do restaurantes que mais gostamos é o Aquarius, que fica no edifício do Renaissance, no centro. Eles tem buffet e menu a la carte. Eu adoro o buffet, cada dia tem um tema: comida indonesa, surinamenha, arubiana, peixes e frutos do mar, etc. Além disso existe um cozinheiro que prepara pratos de massa, sendo que você escolhe o tipo de massa e o molho, tudo isso incluído no buffet. Você também pode escolher pagar menos e ter direito ao buffet de saladas e sopas, que não inclui os outros pratos quentes. Ou escolher a la carte um menu especializado em peixes e frutos do mar.

Na parte de carnes, conhecemos uma churrascarias e 2 steak house. Eu gosto muito do buffet da Texas de Brazil, mas as carnes são americanas e isso se nota. Outro favorito neste quesito é o argentino El Gaucho no centro. As carnes são deliciosas, as porções são enormes e de quebra tem uma empanada argentina de lamber os beiços.

A seguir vem o favorito da filhota: o Matthew’s que fica no hotel Casa del Mar. Vamos lá para todas as ocasiões: café da manhã, almoço e jantar e nunca nos decepcionamos. Essa é a nossa 1ª opção sempre que algum de nós tem tosse ou resfriado, já que é um dos poucos restaurantes que não tem ar-condicionado. Ele fica à beira-mar, com aquela brisa gostosa, o visual ímpar de Eagle Beach e a filhota aproveita para brincar na areia antes e depois de comer.

Um que é uma delícia, mas é dificílimo de conseguir reserva é o Blossoms, que fica no Riu Antillas, mas está aberto ao público. Nós tentamos jantar lá no fim do ano, duas semanas antes do Natal e eles disseram que só havia reservas para fevereiro! Isso para as mesas que tinham direito ao show, que era o que queríamos. Que show? Bom, se alguém conhece a rede de restaurantes Benihana, é algo no estilo, só que melhor. O restaurante é do tipo teppanyaki e para as mesas que não tem show, é só sentar e pedir do menu, cuja comida é deliciosa e o serviço excelente. Já a opção do show é sentar-se numa mesa que circunda o chef, que prepara a comida na sua frente. O mais legal é que ele faz muitas coisas enquanto prepara o yakimeshi, tipo formas de coelhinho, coração, brinca com os talheres, quebra os ovos de maneira divertida, enfim, todo um show que entretém os adultos e encanta as crianças.

Outros restaurantes que visitamos e avaliamos:

Zeerovers

Taste of Belgium

Gostoso

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...